Emirates lançou a primeira sonda árabe para Marte em julho - 19.5.2020
Quito, 7 de julho (EFE). – Pesquisadores equatorianos descobriram vestígios de um novo coronavírus nos rios Machángara e Monjas, que correm por Quito, infectados com águas residuais lançadas nesses afluentes.

Esta é a conclusão de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Las Américas (UDLA), que em 5 de junho coletaram amostras de água para análises biológicas e químicas.

Um relatório divulgado hoje pela UDLA alerta para a detecção de concentrações de material genético relacionado a vírus por meio de testes chamados “qRT-PCR, para as regiões SARS-CoV-2 N1 e N2” e para “proteína de adenovírus capsídeo humano”, que é um indicador aceito de contaminação fecal de homem “.

“A carga viral na água do rio foi associada a casos da Covid-19 em áreas de Quito que descarregavam águas residuais nesses pontos do sistema fluvial, durante as duas semanas anteriores a 5 de junho”, mostram os resultados.

“Comparados com os dados relatados em outras cidades, os dados encontrados corresponderiam a muitos outros casos, indicando um grande sub-registro daqueles oficialmente relatados”, acrescentou a UDLA no relatório.

A universidade explicou que a amostragem foi realizada no início do pico de infecção em Quito, onde os casos relatados nos 14 dias anteriores à amostragem atingiram um quarto do número total de casos do Covid-19 na cidade desde o atual surto.

“Os níveis de SARS-CoV-2 encontrados no início de junho nos rios urbanos de Quito são semelhantes aos encontrados nas águas residuais de Valência, Espanha, quando houve mais de 5.000 casos ativos, e Paris, durante casos de pico com mais de 10.000 hospitalizados pessoas ”, disse a líder do estudo Blanca Ríos-Touma.

No entanto, de acordo com o cientista, a pesquisa mostra um risco significativo de infecção humana se ela se espalhar por um rio quando as águas residuais não tratadas são descartadas. Ela acrescentou que o problema é ainda mais sério em cidades como a capital do Equador, “onde apenas 3% das águas residuais são tratadas antes de serem lançadas nos rios”.

No entanto, Ríos-Touma sentiu que eram necessários mais estudos para determinar se o vírus poderia estar ativo na água e por quanto tempo.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *