Recep Tayyip Erdogan pediu nesta segunda-feira um boicote aos produtos franceses, “se houver opressão contra os muçulmanos na França”. Foi a resposta do presidente turco aos apelos de seu homólogo francês, Emmanuel Macron, que quer medidas contra o “separatismo islâmico”. O colapso das relações entre os dois países parece ter se centrado no caso de Samuel Paty, um professor de história decapitado por mostrar desenhos animados de Maomé nas aulas. No entanto, a Turquia e a França, ambos membros da OTAN, há muito se encontram em lados opostos das disputas geopolíticas.

As posições dos dois presidentes a respeito da relação entre Estado e religião não poderiam ser mais diferentes. Macron é um defensor ferrenho do secularismo, acusado de táticas duras contra o Islã, e até planeja introduzir uma lei para monitorar e regular mesquitas; Erdogan lidera um partido islâmico, herdou um Estado historicamente secular e se dedicou a destruí-lo.

A troca de “bandeirolas” entre os dois começou na semana passada, quando Paris pediu o retorno de seu embaixador a Ancara, em protesto por Erdogan ter sugerido que Macron precisava de “tratamento mental”.

“O que mais pode ser dito sobre um chefe de Estado que não entende a liberdade de culto e que se comporta dessa forma com milhões de pessoas que vivem em seu país e têm uma fé diferente?” Perguntou o presidente turco. O seu homólogo francês, numa homenagem a Samuel Paty, declarou: “Nunca desistiremos dos nossos desenhos animados”.

No entanto, a tensão não é apenas cultural. No passado, a Turquia de Erdogan fez de tudo para se aproximar da UE, mas ultimamente está em rota de colisão com países europeus, particularmente França – Alemanha, Itália e Holanda já expressaram solidariedade a Macron diante dos insultos de Erdogan.

Quando Ancara apoiou militarmente o governo líbio baseado em Trípoli, do outro lado das trincheiras estava o general Khalifa Haftar, um aliado da França. Quando Erdogan enviou drones para apoiar o Azerbaijão em Nagorno-Karabakh, a França apoiou a Armênia. Mais recentemente, a França enviou navios de guerra e caças ao Mediterrâneo oriental para apoiar a Grécia e Chipre em uma disputa com a Turquia sobre os direitos de exploração de petróleo.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *