Dezenas de prisões enquanto protestos franceses continuam após governo sobreviver a moção de desconfiança

O falha na votação será um alívio macron. Se tivesse conseguido, teria afundado seu governo e anulado a legislação destinada a aumentar a idade de aposentadoria em dois anos, para 64 anos.

Mas a raiva foi sentida quando os manifestantes saíram às ruas em cidades de todo o país FrançaOs legisladores da oposição prometeram forçar uma reversão e os sindicatos se prepararam para uma ação nacional na quinta-feira.

Em algumas das avenidas mais prestigiadas do centro de Paris, os bombeiros se esforçaram para apagar as pilhas de lixo em chamas que não foram recolhidas por dias devido às greves, enquanto os manifestantes brincavam de gato e rato com a polícia pela quinta noite.

O que pode preocupar o executivo é o grande número de jovens nas manifestações.

Imagens de televisão mostraram a polícia em várias cidades disparando gás lacrimogêneo brevemente e atacando os manifestantes, com oficiais especiais de motocicletas sendo vistos espancando os manifestantes.

Isso levou o Relator Especial da ONU sobre Liberdade de Associação, Clément Voule, a dizer em um post no Twitter que a polícia deveria evitar o uso excessivo da força.

A votação da moção de censura tripartite foi mais próxima do que o esperado. Cerca de 278 membros do Parlamento o apoiaram, apenas nove a menos do que os 287 necessários para o sucesso.

“Estamos a aproximar-nos do fim do processo democrático desta reforma essencial para o nosso país”, disse a primeira-ministra Elisabeth Borne. “Aceitei minha responsabilidade e a de meu governo com humildade e seriedade.”

Os oponentes dizem que isso mostra a decisão de Macron de contornar uma votação parlamentar sobre o projeto de lei da pensão que desencadeou as moções de desconfiança – já minou sua agenda reformista e enfraqueceu sua liderança.

Todos os olhos agora estão voltados para o presidente, que deve se dirigir à nação na tarde de quarta-feira, de acordo com a France Info Radio.

Macron se reunirá ainda na terça-feira com Borne, líder de ambas as câmaras do Parlamento e legislador em seu campo político, para planejar uma saída para a crise política.

A questão-chave nos próximos dias será se Macron permanecerá com seu governo atual para refrescar as coisas, mesmo que a possível paralisia no parlamento torne o governo mais complicado.

“Nada está resolvido e tudo no país está avançando para que esta reforma seja retirada”, disse Mathilde Panot, líder parlamentar da extrema-esquerda La France Insoumise.

(REUTERS)

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *