Depósito de combustível perto da importante ponte da Criméia na Rússia em chamas

2 MAIO (Reuters) – Um depósito de combustível queimou perto de uma importante ponte que liga a Rússia continental à Crimeia no início desta quarta-feira, disse uma autoridade russa, dias depois de Moscou culpar a Ucrânia por um ataque que teve como alvo um depósito de petróleo em Sebastopol.

Chamas e fumaça negra pairavam sobre o que pareciam ser grandes tanques, adornados com avisos vermelhos de “inflamáveis” em vídeos postados nas redes sociais russas, embora a Reuters não pudesse verificar independentemente os relatórios de incêndio ou os vídeos.

“O incêndio foi classificado como o mais alto nível de dificuldade”, disse Veniamin Kondratyev, governador do Território de Krasnodar, que se estende pelo Mar de Azov da Ucrânia, no aplicativo de mensagens Telegram, acrescentando que não houve vítimas.

Kondratyev disse que o incêndio começou na vila de Volna. A aldeia fica perto da Ponte da Crimeia sobre o Estreito de Kerch, uma importante artéria para as forças russas, uma vez que liga o continente à Península da Crimeia, anexada pela Ucrânia em 2014.

O incidente ocorre dias depois que um ataque de drone no sábado incendiou um depósito de combustível russo no porto de Sevastopol, na Crimeia, no que Moscou descreveu como um ataque ucraniano.

A Ucrânia não assumiu a responsabilidade pelo ataque de Sevastopol, como era de praxe durante o conflito iniciado em fevereiro de 2022.

No fim de semana, no entanto, os militares de Kiev disseram que o enfraquecimento da logística da Rússia fazia parte dos preparativos para uma contra-ofensiva há muito esperada, apoiada por novos carregamentos de armas ocidentais mais poderosas.

Explosões descarrilaram um trem na segunda-feira na região de Bryansk, na Rússia, na fronteira com a Ucrânia, o segundo incidente do tipo em dois dias. Autoridades russas dizem que grupos de sabotagem pró-ucranianos têm realizado ataques desde o início das hostilidades.

A Rússia também intensificou os ataques à Ucrânia antes de uma contra-ofensiva que esperava, com ondas quase noturnas de drones e mísseis visando Kiev e outras áreas na semana passada.

No início da quarta-feira, as autoridades da capital ucraniana disseram que impediram o ataque noturno de Moscou, quando os sistemas de defesa aérea destruíram todos os drones lançados.

Reportagem de Lidia Kelly em Melbourne; Editado por Muralikumar Anantharaman

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *