Coreia do Norte enfrenta surto de doenças infecciosas em meio a luta contra COVID

Por Soo Hyang Choi

SEUL (Reuters) – A Coreia do Norte informou nesta quinta-feira o surto de uma epidemia entérica não identificada em uma região agrícola, sobrecarregando ainda mais o país isolado enquanto luta contra a escassez crônica de alimentos e uma onda de infecções por COVID-19.

O líder Kim Jong Un enviou na quarta-feira medicamentos para a cidade portuária de Haeju, no oeste, para ajudar pacientes que sofrem da “epidemia entérica aguda”, disse a agência de notícias estatal KCNA, sem citar o número de pessoas afetadas ou identificar a doença.

O termo entérico refere-se ao trato gastrointestinal.

“(Kim) enfatizou a necessidade de conter a epidemia o mais rápido possível, tomando uma medida bem projetada de colocar em quarentena os casos suspeitos para conter completamente sua disseminação e confirmar os casos por meio de investigações epidemiológicas e testes científicos”, disse a KCNA.

Um funcionário do Ministério da Unificação da Coreia do Sul, que lida com assuntos intercoreanos, disse que o governo está monitorando o surto, que se acredita ser cólera ou febre tifóide.

O surto relatado ocorre quando o Norte enfrenta seu primeiro surto de infecções por COVID-19. Ele declarou estado de emergência no mês passado em meio a preocupações com a escassez de vacinas e suprimentos médicos.

A agência de espionagem da Coreia do Sul disse anteriormente aos legisladores que doenças transmitidas pela água, como a febre tifóide, já estavam disseminadas na Coreia do Norte antes de anunciar o surto de coronavírus.

“Doenças intestinais como febre tifóide e shigelose não são particularmente novas para a Coreia do Norte, mas é preocupante que estejam surgindo em um momento em que o país já está lutando com o COVID-19”, disse o professor Shin Young-jeon, da Faculdade de Medicina de Hanyang. em Seul.

A Coreia do Sul está pronta para trabalhar com o Norte para combater o surto da doença, mas Pyongyang continua indiferente às ofertas de diálogo, incluindo a proposta anterior de Seul de fornecer vacinas contra a COVID, disse outro funcionário do Ministério da Unificação.

A província de Hwanghae do Sul, onde Haeju está localizada, é a região agrícola mais importante da Coreia do Norte, levantando preocupações sobre o impacto potencial na já terrível escassez de alimentos do país.

Embora a probabilidade de a infecção se espalhar pelas plantações pareça remota, a chave será desinfetar as fontes de abastecimento de água, já que a doença provavelmente será transmitida pela água, disse Eom Joong-sik, especialista em doenças infecciosas do Gil Medical Center da Universidade de Gachon.

Pyongyang anunciou o número de pacientes com febre diariamente sem nomeá-los como pacientes com COVID, aparentemente devido à falta de kits de teste. Especialistas também suspeitam de subnotificação em números publicados pela mídia controlada pelo governo.

A Coreia do Norte relatou na quinta-feira mais 26.010 pessoas com sintomas de febre, elevando o número total de pacientes com febre registrados em todo o país desde o final de abril para quase 4,56 milhões. O número de mortos ligado ao surto é de 73.

A Coreia do Norte disse que a onda de COVID mostrou sinais de diminuição, mas a Organização Mundial da Saúde no início deste mês colocou em dúvida as alegações de Pyongyang e disse acreditar que a situação está piorando.

(Reportagem de Soo-hyang Choi e Hyonhee Shin; Edição de Lincoln Feast.)

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *