A partir de terça-feira às 4 da manhã, todos que retornarem do país devem ser colocados em quarentena em casa. O custo de um voo de Portugal disparou inevitavelmente.

Nós entendemos o que o governo está tentando alcançar, mesmo que as embaixadas tenham se tornado novamente caóticas.

Apoiamos tudo ao nosso alcance para garantir que Londres reabra com segurança no dia 21 de junho. No entanto, estamos muito conscientes da dor que isso infligirá às nossas indústrias de aviação e viagens, que dependeram de junho para acelerar sua recuperação.

O mesmo se aplica aos setores do Reino Unido que dependem de turistas internacionais. Números do Escritório de Estatísticas Nacionais mostram que os visitantes estrangeiros no ano passado foram 73% menos do que em 2019 e que os turistas domésticos não vão compensar a diferença.

Com os hotéis, ruas principais e restaurantes de Londres atingidos novamente, o governo deve delinear como pretende apoiar esses setores em mais um verão perdido.

O regulamento de feriados expira no final de setembro. Michael Gove disse esta semana que tem a “mente aberta” sobre a expansão do programa – os ministros devem esclarecer exatamente quais são esses planos, especialmente para as partes da economia mais afetadas pelas restrições de fronteira.

O setor de turismo do Reino Unido – de hotéis a aeroportos – é uma parte importante de nossa economia e fornece milhões de empregos. Para que este verão seja outra erupção, o governo precisa garantir que as empresas sejam protegidas para que, se o capital voltar ao normal, possa atrair pessoas de todo o mundo novamente.

Medidas contra fraude digital

Todos nós já vimos isso – uma mensagem de texto supostamente de uma empresa de entregas ou sites falsos na Internet.

O número de casos de fraude digital aumentou durante a pandemia e, como relatamos hoje, as empresas de mídia social foram acusadas de serem “facilitadoras” pela principal agência de aplicação da lei do Reino Unido.

A Agência Nacional do Crime alertou gigantes da tecnologia como Facebook, Twitter e Google que eles não estão fazendo o suficiente para impedir que gangues do crime organizado usem suas plataformas para enganar as pessoas com grandes somas de dinheiro.

Dada a tecnologia à sua disposição, essas empresas têm a oportunidade de tomar medidas adicionais contra esses golpes. Eles devem usar seus consideráveis ​​poderes de análise de dados para identificar e remover atores fraudulentos de seus sites e para trocar informações sobre endereços IP e detalhes de contas de possíveis fraudadores de sua propriedade.

Os bancos também têm a responsabilidade de ajudar as vítimas a reaver seu dinheiro. E a reunião do G7 na próxima semana na Cornualha é um lembrete de que precisamos de melhor coordenação internacional contra uma fraude que não respeita as fronteiras nacionais.

By Carlos Jorge

"Proud coffee expert. Webaholic. Zombie guru. Introvert. Avid beer aficionado. Analyst. Total TV practitioner. Award-winning foodie. Student."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *