China afirma sucesso em teste de interceptação de mísseis balísticos


Seul, Coreia do Sul
CNN

A China realizou com sucesso um teste de defesa de mísseis balísticos na noite de domingo, de acordo com o Ministério da Defesa do país, como parte dos esforços militares em andamento para melhorar as capacidades de defesa do país.

É um míssil de médio curso baseado em terra que foi testado dentro das fronteiras da China, disse o ministério em um breve comunicado, acrescentando que o teste é de natureza defensiva e não anti-país.

Os sistemas de mísseis antibalísticos são projetados para proteger um país de um possível ataque usando projéteis para interceptar mísseis, incluindo ICBMs. Alguns analistas comparam isso a disparar uma bala com outra bala.

De acordo com o tabloide estatal Global Times, este é o sexto teste conhecido da China de um míssil antibalístico baseado em terra. O país vem realizando esses testes desde 2010, geralmente a cada poucos anos.

De acordo com a mídia estatal, a China lançou pela última vez um teste de defesa de mísseis balísticos em fevereiro de 2021 antes de domingo.

“A China planeja construir um sistema de defesa antimísseis de várias camadas composto por vários componentes”, disse Tong Zhao, membro sênior do Programa de Política Nuclear do Carnegie Endowment for International Peace.

Esses esforços visam combater mísseis de curto, médio e longo alcance; Até agora, a China desenvolveu sistemas de defesa antimísseis HQ9 e HQ19 para os dois primeiros, e ainda não anunciou publicamente o desenvolvimento de um sistema capaz de interceptar mísseis balísticos intercontinentais e de longo alcance, disse Zhao.

Não está claro qual sistema estava sendo testado no domingo, já que as autoridades chinesas não divulgaram mais informações.

Mas, a julgar pelo tamanho do espaço aéreo fechado, poderia ter sido o HQ19 de médio alcance, semelhante ao sistema THAAD (Terminal High Altitude Area Defense) dos EUA, ou algum outro novo sistema de meio curso, disse Zhao.

Parece semelhante aos mísseis “hit-to-kill” implantados pelos EUA, acrescentou, referindo-se à tecnologia que permite que o interceptor atinja e destrua completamente as ameaças recebidas.

Novo presidente sul-coreano: China não deve ser ‘hipersensível’ à aliança dos EUA

O teste ocorre em meio a crescentes tensões na região, com uma recente onda de testes de mísseis da Coreia do Norte, incluindo mísseis balísticos de curto alcance e um suposto ICBM. Autoridades sul-coreanas e norte-americanas também alertaram que a atividade renovada no local de testes nucleares da Coreia do Norte sugere que o país pode realizar um teste nuclear a qualquer dia – o primeiro desde 2017.

O presidente sul-coreano Yoon Suk Yeol, que assumiu o cargo em maio, prometeu – e sugeriu – uma postura mais dura em relação à Coreia do Norte tente instalar um segundo sistema de defesa antimísseis.

2016, quando A Coreia do Sul anunciou que implantaria o sistema THAAD, construído pelos EUA, provocando uma disputa diplomática de um ano com a China, que argumentou que o sistema de defesa antimísseis colocaria em risco sua própria segurança nacional.

Projetado para lançar mísseis balísticos curtos, médios e médios, o THAAD é usado pelos militares dos EUA para proteger unidades em lugares como Guam e Havaí.

Apesar de suas críticas ao uso do THAAD pela Coreia do Sul, a China tem boas razões para desenvolver seu próprio programa de escudo antimísseis, disse Zhao.

“A China simplesmente não deve ficar para trás nesta importante área de competição tecnológica militar”, disse ele. “A China olha para outras grandes potências. Os EUA são a principal preocupação, mas a Rússia também está desenvolvendo tecnologias de defesa antimísseis cada vez mais poderosas”.

E embora os testes de mísseis da Coreia do Norte tenham alarmado a Coreia do Sul e observadores ocidentais, a relação amistosa de Pequim com o norte significa que provavelmente está mais preocupado com outras ameaças – como da Índia, com a qual compartilha há muito tempo tensões na fronteira, e os EUA, que tem meios militares na Região estacionados perto da China.

No início de maio, a China criticou os Estados Unidos por implantar mísseis balísticos de alcance intermediário na região da Ásia-Pacífico, dizendo que isso tem “sérias implicações negativas” para o controle internacional de armas.

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *