“O Festival da Canção de 2021 contará com 20 canções em concurso. Destas, 18 resultam de convites diretos da RTP, mais uma vez tendo em conta a representação da diversidade dos géneros musicais e dos artistas com obras públicas. A novidade está nas restantes inscrições , com a selecção de dois autores através da submissão gratuita de canções. Este ano a RTP registou a maior participação de sempre neste formato de submissão, com 693 contribuições de modelos por email “, afirmou a estação pública em comunicado hoje divulgado.

Este ano, a emissora pública convidou a compor canções: Anne Victorino D’Almeida, Carolina Deslandes, Da Chick, Fábia Maia, Filipe Melo, Hélder Moutinho, Ian, Irma, Joana Alegre, João Vieira, Karetus, Neev, Pedro Da Linha, Stereosaur, Taina, Tatanka, Virgul e Viviane.

Os dois compositores escolhidos no concurso são Miguel Marôco e Pedro Gonçalves.

Em 2021, as semifinais do certame acontecerão nos dias 20 e 27 de fevereiro, e a final nos dias 6 de março.

A canção “Medo de Sentir”, interpretada por Elisa e composta por Marta Carvalho, venceu este ano o Festival da Canção, cuja final teve lugar em Elvas, e deveria ter representado Portugal no Eurovision Song Contest, que deveria ter acontecido na Holanda, mas isso foi adiado devido à pandemia covid-19.

Em 2021, não há risco de a competição, que reúne representantes de 41 países, não ocorrer, já que os competidores registrarão atuações em seus respectivos países.

“Com a aproximação do Eurovision 2021, podemos agora revelar que todos os participantes terão garantido o direito de participar da competição. Cada país irá criar uma gravação ‘ao vivo’ antes da competição, que pode ser usada se o competidor não puder viajar para Rotterdam devido a a pandemia, ou se, na Holanda, teve que ser colocada em quarentena ”, diz a organização em comunicado divulgado no dia 18 de novembro no site oficial do Festival Eurovisão da Canção.

A 65ª edição do concurso, que se realiza anualmente na Europa desde 1956, deveria ter ocorrido em maio deste ano, em Roterdão, mas a União Europeia de Radiodifusão, por considerar que não estavam reunidas as condições para a sua realização, em virtude de a pandemia de covid-19, decidiu adiá-la por um ano.

A organização explica que todas as estações de televisão participantes (no caso de Portugal é a RTP) foram convidadas a “gravar uma actuação ao vivo do concorrente no seu país”.

Esta gravação “deve ser entregue antes do evento, deve acontecer em estúdio e em tempo real (como seria no concurso), sem qualquer edição da voz ou de qualquer parte da performance, após ter sido gravada”.

A organização garante que “um conjunto de diretrizes de produção garantirá a lisura e integridade do concurso”.

“Esperamos que todos, ou a maioria dos competidores, possam viajar para Rotterdam em maio, mas ter a gravação da apresentação ao vivo garante que ela será vista por milhões de espectadores, aconteça o que acontecer”, afirma a organização.

As semifinais da 65.ª edição do festival Eurovisão da Canção estão agendadas para os dias 18 e 20 de maio e a final para os dias 22 desse mesmo mês.

Portugal participou no Festival Eurovisão da Canção pela primeira vez em 1964, tendo entretanto perdido cinco edições (em 1970, 2000, 2002, 2013 e 2016).

Entre 2004 e 2007, inclusive, e em 2011, 2012, 2014, 2015 e 2019, Portugal não conseguiu chegar à final.

Portugal venceu o Festival Eurovisão da Canção pela primeira vez em 2017, com o tema “Amando para Ambos”, interpretado por Salvador Sobral, composto por Luísa Sobral. Após a vitória, Lisboa acolheu o concurso no ano seguinte.

JRS // MP

Lusa / end

By Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *