Brasil visa gigantes asiáticos do comércio eletrônico e empresas locais com pressões fiscais

BRASÍLIA, 3 Abr (Reuters) – O Brasil deve divulgar medidas fiscais em breve, incluindo uma repressão aos gigantes asiáticos do comércio eletrônico e reduzindo alguns benefícios fiscais para empresas, já que planeja arrecadar mais de 100 bilhões de reais (US$ 20 bilhões) Ministro da Fazenda Fernando disse Haddad na segunda-feira.

As medidas de comércio eletrônico vêm em resposta a reclamações de varejistas locais sobre a concorrência desleal de gigantes asiáticos como AliExpress, Shein e Shopee.

Em entrevista à emissora local GloboNews, Haddad disse que as empresas que operam no Brasil enfrentam concorrência desleal de “um ou dois players globais” que disfarçam seu comércio eletrônico como transferências de pessoa para pessoa para garantir o pagamento ou evitar impostos.

Mais tarde, ele disse a jornalistas que o combate à prática, que Haddad chamou de “contrabando”, deveria render ao governo 7 a 8 bilhões de reais em novas receitas.

AliExpress, de propriedade do Alibaba Group (9988.HK), Shopee, de propriedade da Sea Ltd (SE.N), e Shein não responderam imediatamente a um pedido de comentário da Reuters.

O governo planeja publicar a medida até a próxima semana, juntamente com a legislação para seu arcabouço fiscal, que estabelece limites de gastos para permitir que o novo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva elimine o déficit orçamentário do ano que vem.

Segundo Haddad, o quadro, que também depende de receitas em alta, será amparado por outras duas medidas que o governo pretende apresentar nos próximos dias.

O impacto mais significativo virá da decisão do governo de buscar a aprovação do tribunal federal para proibir as empresas de receber incentivos fiscais estaduais para despesas operacionais, o que resultaria no pagamento de menos impostos federais.

O ministro disse que as isenções fiscais estaduais devem valer apenas para investimentos feitos por empresas e que a recuperação da arrecadação federal nessa área pode gerar entre 85 e 90 bilhões de reais.

Além disso, Haddad disse que a tributação das apostas esportivas online deve render entre 12 e 15 bilhões de reais para o erário público, mais que o dobro da estimativa original.

Durante a entrevista à TV, o ministro disse ainda que uma reforma tributária planejada visando o consumo visaria arrecadar impostos “de quem não paga”, o que ajudaria a aumentar a arrecadação do governo.

A proposta de reforma tributária deve ser votada na Câmara até julho e no Senado até outubro, disse Haddad.

($ 1 = 5,0632 reais)

Reportagem de Marcela Ayres e Bernardo Caram; Reportagem adicional de Victor Borges e Luana Maria Benedito; Editado por Steven Grattan, Aurora Ellis e Sonali Paul

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

By Patricia Joca

"Professional troublemaker. Friend to animals everywhere. Social media expert. Dedicated analyst. Amateur entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *