A Anatel revelou seus dados relacionados a reclamações de usuários contra empresas de telecomunicações, e para a surpresa de muitos houve uma diminuição nas reclamações em outubro de 2017 em comparação ao mesmo período de 2016.

Em 2017 foram registradas 277,6 mil reclamações de clientes contra prestadores dos serviços de banda larga fixa, telefonia móvel, telefonia fixa e TV por assinatura, uma redução de 16,9 mil, ou 5,7%, em relação ao mesmo período de 2016.

O setor com maior queda foi o de telefonia móvel com 16,8 mil queixas a menos. Na sequência, vem a telefonia fixa com menos 2,4 mil, à frente da TV por assinatura, com diminuição de 200 reclamações. O setor de banda larga fixa foi sentido contrário com 2 mil queixas a mais.

Telefonia móvel

Em questão a telefonia móvel a operadora Vivo o lidera em redução de queixas (-9,6 mil). Em seguida, aparecem a Claro (-2,4 mil), a TIM (-2 mil) e a Oi (-900). Da mesma forma, na telefonia fixa, a Vivo também teve uma queda maior do que as concorrentes, com 1,6 mil reclamações a menos. Completam a lista a Oi (-800) e a NET (-400).

TV por Assinatura

Neste setor apenas a Oi apresentou diminuição no número de reclamação (-700), a NET/Claro apresentou um aumento de 300 reclamações, na sequência, a Vivo subiu 200 reivindicações; e a Sky, 100.

Principais problemas

Dentre os principais problemas reclamados encontram-se:

Telefonia móvel pós-paga

  • Cobrança (49,2%)
  • Ofertas e promoções (9,6%)
  • Qualidade, funcionamento e reparo (9,2%).

Cobrança também foi o maior fator de queixas na telefonia fixa (41,1%); acompanhado por qualidade, funcionamento e reparo (20,76%); e cancelamento (7,8%).

Telefonia móvel pré-paga

  • Créditos (47,4%)
  • Ofertas e promoções (15,7%)
  • Qualidade, funcionamento e reparo (12,2%)

Com relação à TV por assinatura, cobrança representou mais da metade das reclamações registradas (50,5%); seguida de qualidade, funcionamento e reparo (9,7%); e ofertas e promoções (9,35%).

Já os problemas com a banda larga fixa, a qualidade, funcionamento e reparo formaram o principal motivo de queixas recebidas (45,0%). Na sequência, aparecem cobrança (23,6%) e instalação, ativação ou habilitação (9,44%).