Em todos os países existe um órgão regulamentador que aprova ou não a entrada de smartphones em seu território, no Brasil todos conhecem a Anatel que é nossa entidade reguladora, agora através de um novo protocolo estabelecido por ela, todas as fabricantes deverão informar os níveis de radiação emitidos por seus aparelhos.

Com isso há um prazo de 120 dias para a adequação do mercado, e claro, continue produzindo aparelhos que se enquadrem no limite de radiação permitido, que é de 2,0W/kg. Essa informação, inclusive, deverá constar em um selo na caixa dos eletrônicos.

Além disso, os manuais deverão trazer também uma frase indicando que todo smartphone deve ser utilizado a uma distância de 1,5cm do corpo do usuário para a garantia da conformidade com os limites de exposição de radiofrequência.

O chamado SAR (em português algo como taxa de absorção específica) é uma fórmula que traduz o quanto de energia emitida por um eletrônico o corpo humano é capaz de absorver. Quanto maior ela for, mais perigo existe.

O nível seguro depende de acordo com o país. Por aqui, o limite é considerado baixo, com o máximo permitido – conforme vimos – sendo 2,0W por quilograma.