A Turquia aprova a candidatura da Finlândia à OTAN, eliminando assim o último obstáculo.  A Suécia ainda está esperando.

(CNN) A Turquia finalmente concordou pedido da Finlândia para ingressar na OTAN, encerrando meses de atrasos e continuando a impedir que a Suécia ingressasse na aliança militar.

O parlamento da Turquia votou por unanimidade a favor da adesão da Finlândia na quinta-feira, eliminando o obstáculo final no processo de adesão.

A votação cumpre a “promessa” do presidente turco Recep Tayyip Erdogan de incluir a Finlândia na aliança de defesa. A Turquia foi o último membro da OTAN a aprovar a entrada da Finlândia, embora a Hungria o tenha feito apenas na segunda-feira.

Em uma declaração após a votação, o presidente finlandês Sauli Niinisto disse que seu país está “agora pronto para ingressar na Otan”.

“Todos os 30 membros da OTAN já ratificaram a adesão da Finlândia. Quero agradecer a cada um deles pela confiança e apoio”, disse ainda. “A Finlândia será um aliado forte e capaz, comprometido com a segurança da Aliança.”

“Estamos ansiosos para receber a Suécia o mais rápido possível”, acrescentou o presidente finlandês.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenbeg, disse na sexta-feira que a Finlândia se juntaria oficialmente à aliança nos “próximos dias”.

“A Finlândia trará muito à nossa aliança”, acrescentou.

Embora Stoltenberg estivesse otimista sobre as chances da Suécia de ingressar na aliança, a Turquia não indicou se concorda com a adesão da Suécia à OTAN, em um tweet dizendo que a ratificação é “do interesse de todos”.

Durante décadas, a Finlândia e a Suécia comprometeram-se a não se alinhar com a OTAN para evitar uma provocação de Moscou. Tudo isso mudou, no entanto, quando o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou que suas tropas entrassem na Ucrânia, forçando os dois países escandinavos a reavaliar seu status neutro.

A esmagadora maioria dos membros da OTAN acolheu bem seus pedidos e os aprovou em semanas. Mas dois países – Turquia e Hungria – começaram a atrasar o processo.

A OTAN opera uma política de portas abertas, o que significa que qualquer país pode ser convidado a aderir se manifestar interesse, desde que possa e queira cumprir os princípios do tratado fundador do bloco. No entanto, de acordo com as regras de adesão, qualquer Estado membro pode vetar a adesão de um novo país.

Erdogan acusou a Finlândia e a Suécia de abrigar “organizações terroristas” curdas, enquanto o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, afirmou que eles estavam espalhando “mentiras descaradas” sobre o estado de direito de seu país.

Turquia e Hungria posteriormente suavizaram sua posição sobre a adesão da Finlândia, abrindo as portas para sua adesão no início deste mês. No entanto, eles continuam se opondo à adesão da Suécia – pelo menos por enquanto.

O parlamento da Hungria votou 182 a seis a favor da moção da Finlândia na segunda-feira. Na quarta-feira, o porta-voz do governo húngaro, Zoltán Kovács, disse que havia “um grande conjunto de queixas que precisam ser abordadas” antes que o pedido da Suécia para ingressar na OTAN seja ratificado pelo país.

Kovács escreveu em um blog que as relações entre os dois países “se desgastaram com o passar dos anos”, tornando “o desafio de preencher a lacuna”.

“Vemos a necessidade de nos darmos bem com a Suécia para continuar”, acrescentou.

A Turquia também parece se opor firmemente à adesão da Suécia. Erdoğan disse anteriormente que a Turquia não aprovará a adesão da Suécia à OTAN, a menos que o país extradite “terroristas” a pedido da Turquia. A Suécia deixou claro que isso não acontecerá e o processo está parado por enquanto.

A Turquia é um poderoso membro da OTAN com o segundo maior exército do bloco depois dos Estados Unidos. Sua localização no flanco sudeste da aliança o torna um membro estrategicamente importante. Ele atua como um amortecedor entre o Ocidente e várias nações do Oriente Médio com uma história de instabilidade política e onde os Estados ocidentais têm interesses investidos. O fato de ter ingressado na Allianz em 1952, apenas três anos após sua fundação, aumenta sua influência.

No entanto, sob a liderança de Erdogan, o país se tornou um membro um tanto problemático.

Erdogan discordou dos aliados da OTAN em uma série de questões, incluindo a Síria e a Líbia, e se recusou a nomear o dinamarquês Anders Fogh Rasmussen como chefe da OTAN até que o presidente dos EUA, Barack Obama, prometeu que um dos deputados de Rasmussen seria turco.

Mas a Turquia também se beneficiou de sua participação na aliança, tanto em termos de segurança quanto de influência política.

Catherine Nicholls da CNN, Mostafa Salem, Yusuf Gezer, Jomana Karadsheh, Isil Sariyuce, Alex Hardie, Nadeen Ebrahim e Abbas Al Lawati contribuíram com a cobertura.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *