A NASA está mantendo a Voyager 2 funcionando até pelo menos 2026, recorrendo à energia de backup: NPR

Conceito artístico da espaçonave Voyager da NASA. Depois que a Voyager 1 e sua réplica Voyager 2 foram lançadas em 1977, suas fontes de energia lentamente se extinguiram.

NASA/JPL-Caltech


Ocultar legenda

alternar legenda

NASA/JPL-Caltech

Conceito artístico da espaçonave Voyager da NASA. Depois que a Voyager 1 e sua réplica Voyager 2 foram lançadas em 1977, suas fontes de energia lentamente se extinguiram.

NASA/JPL-Caltech

A espaçonave Voyager 2 da NASA, que explora os limites externos do sistema solar há mais de 45 anos, está ficando sem energia. Mas um novo plano visa manter sua missão interestelar viva por pelo menos mais três anos.

Lançada pela primeira vez em 1977, a Voyager 2 ajudou os cientistas a estudar planetas distantes e a entender como a heliosfera – a camada atmosférica mais externa do Sol em forma de bolha que retém partículas e campos magnéticos – protege a Terra de seu volátil ambiente interestelar.

À medida que o fornecimento de energia da Voyager 2 diminui, a NASA chegou perto de desligar um de seus cinco instrumentos científicos a bordo da espaçonave. Para mantê-lo funcionando, os engenheiros já haviam sacrificado aquecedores e outras peças não essenciais que usavam eletricidade. Mas os engenheiros agora encontraram uma maneira de obter energia de backup de um mecanismo de segurança que regula a voltagem da espaçonave.

“A mudança permitirá à missão atrasar o desligamento de um instrumento científico para 2026, em vez deste ano”, disse. O anúncio foi feito pelo Laboratório de Propulsão a Jato da NASA na semana passada.

A Voyager 2 e sua gêmea Voyager 1 (lançada no mesmo ano) são as únicas espaçonaves que se aventuraram além da heliosfera.

Ed Stone, que foi cientista-chefe do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA antes de se aposentar no ano passado, dedicou mais da metade de sua vida ao programa Voyager. Ele supervisionou a espaçonave que fez descoberta após descoberta na exploração de Júpiter, Saturno, Urano e Netuno.

“Ele mostrou o quão complexo e dinâmico o sistema solar realmente é. Antes da Voyager, os únicos vulcões ativos conhecidos estavam aqui na Terra”, disse Stone à NPR em 2017 sobre a atividade vulcânica da Terra. Antes da Voyager, os únicos oceanos conhecidos no sistema solar estavam aqui na Terra. Então passamos por outra lua de Júpiter, Europa, que revela ter um oceano líquido de água sob sua crosta gelada.”

Voyager 2 está a 12,3 bilhões de milhas da Terra e subindo. A Voyager 1, que também está prestes a expirar, pois também está perdendo energia, está a 14,7 bilhões de milhas de distância.

“Os dados científicos que a Voyager envia de volta tornam-se mais valiosos à medida que se afastam do sol, por isso estamos definitivamente interessados ​​em manter o maior número possível de instrumentos científicos operacionais”, diz Linda Spilker, cientista do projeto Voyager em Jet Propulsion Lab, disse em um comunicado.

A NASA, enquanto isso, tem trabalhado para garantir que o legado das Voyagers não termine com um silvo lento, com funcionários avaliando propostas caras e complexas de vários grupos para uma nova sonda de longo prazo.

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *